06 Dicas que irão ajudar seus alunos que estão na fase da escrita silábica sem valor sonoro avançarem. - Espaço Professor

Atividades de Alfabetização

06 Dicas que irão ajudar seus alunos que estão na fase da escrita silábica sem valor sonoro avançarem.





Dicas para fazer com que as crianças possam avançar  
1.       Manter um alfabeto exposto e ao alcance das crianças para que consultem sempre que necessário. Com acesso a ele, elas podem relembrar a forma gráfica de determinada letra que querem registrar, por exemplo. Importante: prefira um alfabeto com letras de imprensa, todas maiúsculas, sem nenhum tipo de desenho nem letras minúsculas ou manuscritas acompanhando. Elas dificultam a vida dos pequenos nesse momento.
2.       Expor nas paredes da sala de aula, textos de tradição oral que a turma conheça e saiba de cor, como parlendas, versos, trava-línguas, adivinhas, entre outros, para que os pequenos recorram a eles quando estiverem escrevendo e queiram se apoiar em exemplos. Por exemplo: para escrever COZINHA, podem recorrer à MEIO-DIA, MACACO ASSOBIA. Trabalhar com narrativas e outros textos mais extensos, que circulam socialmente, também é fundamental.
3.       Organizar duplas produtivas de trabalho, reunindo uma criança com escrita silábica sem valor sonoro convencional com um colega que apresenta uma hipótese silábica com valor sonoro convencional, para que o segundo questione o par sobre as letras escolhidas, a ordem, dê sugestões para melhorar a escrita.
4.       Pedir que a criança leia em voz alta, seguindo com dedo, o que escreveu. Assim, ela verbaliza o que pensou e você pode fazer intervenções – por exemplo, perguntar se ela acha que há letras sobrando, se quer eliminá-las, se deseja trocar alguma letra por outra que considere melhor. Também é possível pedir para ela apontar onde está o ME de MELISSA em CAMELO que ela mesma escreveu. Atenção: ao pedir que a criança leia em voz alta, a ideia não é verificar se ela sabe ler nem corrigir sua escrita, e sim criar condições para ela verbalizar o que pensou . A tomada de consciência de que há letras melhores para serem usadas acontece de outra maneira: com suporte e comparação com outras escritas, por exemplo.
5.       Impulsionar os pequenos a pensar que existem letras mais adequadas do que as que escolheram, já que é preciso fazer marcas correspondentes ao segmento que eles querem representar. Para isso, lance mão de textos conhecidos por eles, títulos de livros preferidos da turma, listas de palavras que façam sentido para o grupo, sugerindo que recorram a eles. O título do livro “O PATINHO FEIO”, por exemplo, pode ajudar a escrever PANELA.
6.       Depois do trabalho de escrita em duplas, compartilhe na lousa com toda a classe alguns registros, problematizando-os, de modo que a turma possa fazer sugestões de melhorias. Você também pode compartilhar o registro de duas duplas para mesma palavra, comparando-os e pedir para as crianças opinarem, pensarem em qual é o melhor conjunto de letras para representar graficamente a palavra em questão e justificar as ideias. Por exemplo: DUB e PNA para PANELA. O segundo registro, marcado pela hipótese silábica com valor sonoro, é de grande utilidade para fazer o grupo sem valor sonoro refletir e avançar. 


RETIRADO DO SITE NOVA ESCOLA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *